América Latina tem grande potencial para novas oportunidades no comércio global

09/07/2024

Os países da América Latina têm grande potencial para aproveitar as novas oportunidades do comércio internacional e podem levar uma grande vantagem se tiverem maior integração, ante as tendências protecionistas em prática no mundo.

ReproduçãoRebeca Grynspan
Economista Rebeca Grynspan diz que acordo UE-Mercosul seria importante

Esse diagnóstico é da economista Rebeca Grynspan, secretária-geral da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) e ex-vice-presidente da Costa Rica. Ela tratou do assunto em entrevista à série Grandes Temas, Grandes Nomes do Direito. Nela, a revista eletrônica Consultor Jurídico conversa com alguns dos nomes mais importantes do Direito e da política sobre os temas mais relevantes da atualidade.

“Nós esperamos neste ano um aumento do comércio internacional, comparado com o ano anterior. Efetivamente, vemos um aumento do protecionismo a nível mundial, mas também vemos muitas oportunidades. O que está crescendo são os serviços, o digital e os bens verdes, e essas são grandes oportunidades para a América Latina”, afirmou Grynspan.

“A América Latina tem um grande potencial em energias renováveis, em minerais críticos para a transição energética, e tem muitos bons recursos humanos para serviços e o mundo digital. Assim, esperamos que a América Latina possa realmente aproveitar as novas oportunidades do comércio internacional.”

Integração da América Latina


A secretária-geral da UNCTAD disse ainda que um acordo comercial entre União Europeia e Mercosul seria fundamental para o aproveitamento dessas oportunidades, tanto para a América Latina quanto para a Europa, mas reconhece que há obstáculos para sua concretização. De todo modo, ela defende o rompimento das barreiras comerciais.

“O que é certo é que uma maior integração da América Latina poderia ajudar a lidar melhor com as tendências protecionistas e de bloqueio econômico que estão movendo o mundo”, diz Grynspan.
 

Clique aqui para assistir à entrevista ou veja abaixo:

Fonte: Revista Consultor Jurídico