Concad Mulher se reúne e define pautas prioritárias para as advogadas no triênio

01/08/2019

A Concad Mulher se reuniu pela primeira vez, nesta quarta-feira (31), em Brasília, para definir os temas prioritários da gestão no triênio (2019-2022). A iniciativa de estabelecer um grupo exclusivo para debater pautas das mulheres advogadas dentro da Coordenação Nacional das Caixas de Assistência (Concad) surgiu no início do ano, já sob a gestão de Pedro Alfonsin como coordenador nacional das Caixas.

A coordenadora da Concad Mulher, Hermosa França, avaliou que a iniciativa possui potencial para apresentar diversas melhorias para as advogadas com ações voltadas para a saúde da mulher, combate à violência de gênero e incentivo à participação e manutenção no mercado de trabalho como a criação de salas de amamentação e espaço kids nos fóruns de Justiça, permitindo que as advogadas com crianças pequenas possam exercer as suas atividades.

“Iniciamos o nosso trabalho com a certeza que a Concad Mulher será um exemplo para todos. Vamos mostrar a união e a força que as mulheres possuem no sistema OAB, com a implementação de projetos e melhorias para as advogadas”, afirmou Hermosa França.

A presidente da Comissão Nacional da Mulher Advogada, Daniela Borges, também participou da reunião e disse que “a Comissão Nacional da Mulher Advogada se coloca à disposição para participar da Concad Mulher, debatendo temas que vão trazer benefícios para todas. As mulheres já representam praticamente 50% dos quadros da Ordem. É preciso que a OAB possa pensar ações para metade de seus inscritos, não é nenhum tipo de favor para nós mulheres”.

O coordenador nacional das Caixas, Pedro Alfonsin, já assumiu o compromisso de encaminhar algumas demandas da Concad Mulher. “Acredito que estamos fazendo história. Vamos trabalhar, por exemplo, junto ao CNJ para a construção de espaços de amamentação nos fóruns. Vamos fazer de tudo para que a profissional da advocacia possa manter as suas atividades e tenha o amparo necessário para essa fase tão importante da vida”, afirmou Pedro Alfonsin.

Fonte: OAB Conselho Federal