Diretores de Escolas Superiores da OAB debatem nova organização e criação da ESA Nacional

27/05/2019

A nova gestão  da Escola Nacional de Advocacia (ENA), tendo à frente o diretor-geral Ronnie Preuss Duarte, anunciou nesta sexta-feira (24) que a ENA terá um novo nome e passará a se chamar Escola Superior de Advocacia Nacional (ESA Nacional), seguindo a mesma nomenclatura utilizada pelas ESAs das Seccionais da OAB. Esse novo modelo foi uma construção coletiva, resultado de pesquisas de campo, entrevistas e "benchmarking", em um trabalho coordenado pela empresa de assessoria Deloitte. A mudança de nome proposta ainda precisa passar por aprovação no Conselho Pleno da OAB Nacional.

A alteração não representa apenas uma simples mudança de nome, mas sim toda uma reestruturação no sistema de educação que é oferecido aos advogados e advogadas em todo o país. O XXVII Encontro Nacional da Escola Nacional de Advocacia e Escolas Superiores de Advocacia, durante o Colégio de Presidentes das Seccionais, realizado na OAB-SP, serviu para a apresentação do novo modelo.

A ideia é organizar uma maior integração da ESA Nacional com as ESAs das Seccionais, um fortalecimento da entidade nacional e ao mesmo tempo uma potencialização das atividades desenvolvidas pelas Escolas Superiores da Advocacia nos Estados.

“O objetivo é coordenar um projeto de fortalecimento da educação no nosso sistema. Hoje, vemos advogados com bom conhecimento teórico, boas formações acadêmicas, mas que ainda não encontram no mercado muitas oportunidades de aperfeiçoamento pratico, de desenvolver novas habilidades, de adquirir o conhecimento necessário para atuar em novas áreas. Precisamos ter meios de transferir “know how”, de ensinar sobretudo os mais jovens o “como fazer” da advocacia. É necessário dar as condições para que se apresentem no mercado de trabalho, que ganhem mais honorários e que tenham mais qualidade de vida.”, afirmou Ronnie Preuss Duarte.

Uma das medidas com a nova organização do sistema de ensino da OAB é fomentar a educação continuada e oferecer uma boa plataforma de Educação à Distância (EAD), que possa atender a todos com a mesma qualidade. “Queremos uma Escola Superior de Advocacia verdadeiramente Nacional, mas não para assegurar o protagonismo do Conselho Federal, mas sim de quem está na ponta. Seremos um instrumento para que todas as ESAs sejam capazes de disponibilizar, a preços acessíveis, um conteúdo diferenciado para toda a advocacia”, complementou Ronnie Preuss Duarte.

Fonte: OAB Conselho Federal