RS: Junta Digital abrangerá todo Estado em dezembro

01/10/2018

Constituir ou extinguir companhias, consultar ou oficializar documentos, todas essas e outras ações empresariais ficarão mais ágeis e menos burocráticas no Estado a partir de dezembro. Esse prazo é a previsão para que todos os processos e atos jurídicos relativos a empresas registradas na Junta Comercial, Industrial e Serviços do Rio Grande do Sul (Jucis-RS) passem a ser 100% digitais, permitindo uma operação via on-line pelos usuários.

O projeto, conhecido como Junta Digital ou Junta sem Papel, tem como meta permitir que os empreendedores utilizem os serviços demandados com mais celeridade. Algumas consultas - que antes poderiam demorar dias, sendo feitas por malotes - poderão ser resolvidas em questão de horas. A iniciativa já abrange cidades como Porto Alegre, que conta com o ambiente totalmente digital. "Hoje, na Capital, não se recebe mais papel", destaca o presidente da Jucis-RS, Itacir Amauri Flores.

A digitalização foi iniciada em 2015, através de uma parceria com o Sebrae. Atualmente, no Estado, existem, aproximadamente, 30 milhões de documentos de registros de empresas, dos quais 28 milhões já estão digitalizados. O principal investimento para atender a esse objetivo foi feito em softwares, totalizando um aporte de cerca de R$ 7,5 milhões, sendo que a Jucis-RS participou com 30% dos desembolsos e o Sebrae, com 70%.

A secretária estadual de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Susana Kakuta, detalha que o conceito básico da solução é o do usuário acessar o serviço desejado do seu próprio computador. "Isso implica toda uma lógica diferente de velocidade", frisa. Além disso, gera economia de papéis que não são mais necessários. Entre os benefícios da ação digital para o empreendedor está a disponibilidade 24 horas dos serviços, a eliminação do deslocamento até a Junta Comercial e a possibilidade do acompanhamento do fluxo do processo. Essa mudança, reforça a secretária, potencializa trabalhos de profissionais como contadores e advogados.

Fonte: Jornal do Comércio - RS