MG: Operação busca identificar mentores de esquema de sonegação de impostos no Triângulo Mineiro

23/10/2017

Foi deflagrada na manhã desta terça-feira, 17 de outubro, na região do Triângulo Mineiro, a segunda fase da operação Beleza Impura, que tem o objetivo de identificar os idealizadores do esquema criminoso que beneficiou empresas do ramo de higiene pessoal e cosméticos. A estimativa é que aproximadamente R$ 70 milhões em impostos tenham sido sonegados.

Conforme as investigações, o principal suspeito de fazer parte do esquema, um empresário, é sócio de um escritório de administração e logística em Belo Horizonte e já foi alvo de outra operação do Ministério Público do Rio de Janeiro, no ano de 2013, quando foi acusado de comandar um esquema semelhante.

São investigados também dois contadores, suspeitos de dar sustentação técnica aos negócios fraudulentos, inclusive na criação das empresas de fachada que assumiam, mas nunca pagavam, o imposto no lugar dos verdadeiros devedores.

Após confirmado o uso de empresas de fachada para ocultar os reais contribuintes e responsáveis pelo pagamento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), as análises do material arrecadado na primeira fase da operação revelaram os prováveis idealizadores do esquema criminoso.

Nesta terça, foram cumpridos seis mandados de busca e apreensão, em Belo Horizonte e Contagem, pela força-tarefa formada pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa da Ordem Econômica e Tributária (Caoet), Secretaria de Estado de Fazenda (SEF), Polícia Civil e Advocacia-Geral do Estado.

Participaram da operação dois promotores de Justiça 25 fiscais da SEF, dois delegados e 12 policiais civis.
 

Fonte: Ministério Público do Estado de Minas Gerais