Receita lança nova versão do programa para envio do IR 2016

04/03/2016

1ª versão, liberada dia 25, tinha problema na verificação de pendência.
Quem já enviou declaração, não precisa fazer outra, informou a Receita.

A Secretaria da Receita Federal informou nesta quinta-feira (3) que há uma nova versão (1.1) disponível para o programa do Imposto de Renda das Pessoas Físicas (IRPF) de 2016 em sua página na internet e pede que os contribuintes que ainda não enviaram o documento façam o "download" da versão atualizada antes de transmití-lo.
 
De acordo com o supervisor nacional do Imposto de Renda do Fisco, Joaquim Adir, a primeira versão do programa estava com um problema na verificação de pendência para validação do CPF de dependentes.

A nova versão está disponível para download no Techtudo - clique aqui para acessar

No IR de 2016, passou a ser obrigatória a indicação do CPF de dependentes com 14 anos ou mais. Até o ano passado, essa obrigatoriedade valia somente para dependentes com 16 anos ou mais.

"O programa estava deixando passar se tivesse erro em pendência [do CPF de dependentes]. Por segurança, para evitar que o contribuinte caia em malha, disponibilizamos uma nova versão do programa. Quem já entregou a declaração, não tem problema nenhum. Se tiver algum problema, nós vamos corrigir. A gente consegue verificar depois isso internamente e fazer a correção", declarou Adir ao G1.

Até as 11h desta quinta-feira (3), 679.931 contribuintes haviam entregue a declaração do Imposto de Renda.

De acordo com a Receita Federal, quem preencheu a declaração, total ou parcialmente, e ainda não transmitiu, não vai perder dados, pois eles serão transferidos para a nova versão do programa do Imposto de Renda.

"O contribuinte deve baixar a nova versão, finalizar o preenchimento e fazer a transmissão. Se o contribuinte tentar transmitir a declaração feita na versão original do programa (IRPF2016 1.0), receberá um aviso alertando sobre a necessidade de fazer o download e utilizar a nova versão", informou a Receita Federal.

Fonte: G1